Home » » Considerações sobre o terremoto que assolou o Japão

Considerações sobre o terremoto que assolou o Japão


"Venho por meio desta, demonstrar nossa solidariedade e o nosso pesar para com as vítimas dessa lamentável catastrofe."
(H. Sakumo)


Acredito que todos vocês já estão sabendo da terrível tragédia que acometeu o Japão durante esta semana. Na sexta-feira (11/03) um terremoto de magnitude 9,0 (de acordo com novas informações da Agência Meteorológica do Japão) atingiu o mar do Pacífico na parte Noroeste do Japão. Esse fenômeno natural seguiu-se de outros tremores menores que continuam até hoje e devem continuar por um bom tempo (esperam-se tremores acima de 7 pontos para os próximos dias), mas principalmente por Tsunamis, as ondas gigantes, principal fonte de destruição e mortes.

Até o momento a contagem oficial já passa dos 1.600 mortos, com mais de 10.000 desaparecidos ainda. Equipes de resgate japonesas e internacionais trabalham arduamente na busca por sobreviventes, mas o número de mortos deve aumentar bastante. Até Abril o país deve passar por racionamento de energia e atualmente muitas pessoas não têm acesso nem à água potável.

Por isso mesmo alguns projetos relacionados ao entretenimento pop japonês foram adiados e não me senti confortável para escrever um post normal. Ainda que a angústia que eu passei não chegue nem aos pés do que passaram os japoneses e pessoas com amigos/parentes lá, pelo menos por enquanto as coisas não são as mesmas.

Aqui eu deixo minha soliedariedade a todos atingidos direta ou indiretamente por essa tragédia. Além disso, gostaria de reproduzir alguns links e informações que podem ser úteis.

Se você quiser fazer uma doação confiável para ajudar nesta situação, o tumblr “Porra, GazettE!” fez um post esclarecedor de como isso pode ser feito. O blog Muito Japão também fez um post com possibilidades de doações.

O J-Wave fez um post com diversas fontes de informações e fontes que podem ajudar a entender bem a situação, vale conferir. Entre eles temos o Lost in Japan, de um brasileiro que mora no Japão e desde o começo da tragédia vem ajudando no repasse de informações.

Ainda no começo disso tudo eu comentei no Twitter o seguinte:

Se você viu as notícias de terremoto no Japão e a primeira coisa que você pensou foi em não ter mais animes/mangas, mude sua vida. Sério.

http://twitter.com/#!/Gyabbo/status/46133742858813440

Nesses momentos, hobbies estão longe de serem uma prioridade. O sofrimento, a possibilidade de ajuda, o entendimento da situação, o repasse de informações, tudo isso é muito mais importante do que se determinado manga vai continuar ou se essa semana vai passar anime tal, por favor vamos ter discernimento. No entanto, não é como se fosse proíbido pensar nisso. Como comentou Alex Lancaster, do Maximum Cosmo, no seu Twitter, o entretenimento tem um papel fundamental em momentos como esse para elevar a moral, o humor e a auto-estima da nação. Isso não significa que você aqui no Brasil, sem relação alguma com a situação pode fazer piada sobre a situação. Não é um fato para fazer piada, principalmente se você só quer tripudiar e aproveitar a situação e não em ajudar.

Sendo assim, para aqueles que ficaram preocupados com seus ídolos dessa indústria, o usuário @azurekitsune está constantemente atualizando uma lista com nomes de seiyuu, mangaka e outras pessoas relacionadas que confirmaram estar bem, clique aqui para ver. Temos também essas duas listas com artistas de J-Pop e J-Rock que também estão bem. Por fim, outra lista, dessa vez do site Anime News Network com o mesmo teor.

Além disso, alguns animes como Madoka Magica e o chamado Super Hero Time (Gokaiger e Kamen Rider OOO) tiveram seus episódios adiados. Aqui uma lista da ANN com outros programas que não irão ao ar.

Se você acredita em alguma divindade reze, ore, se não, torça, enfim, nesse momento de um tragédia tão grande toda ajuda é bem-vinda, tanto física quanto não-física. Mais do que um problema de uma nação, a dor é de toda humanidade.


Fonte: Invasão Anime

Blog Archive

Popular Posts

Powered by Blogger.